Até Quando (Texto de Ed.René Kivitz)


Boa tarde gente! 

Eu gostaria de compartilhar um Texto do Livro: "Outra Espiritualidade" que na verdade reflete bem o que penso sobre algumas atitudes de alguns chamados "homens de Deus" nessa geração. Espero que o texto gere reflexão em você!


          Talvez por puro exercício masoquista,ainda continuo dando atenção aos programas evangélicos na televisão e no rádio.Não fosse trágico,seria cômico. Por alguns instantes,chego mesmo a rir às gargalhadas, e não poucas vezes me surpreendo imitando alguns gurus da mídia gospel. Mas o sentimento mais autêntico é de pasmo e revolta. Não consigo ser tão nobre a ponto de chegar a tristeza ou a compaixão.

Outro dia ouvi um teleevangelista anunciando que sua denominação inauguraria uma antena de retransmissão com palavras assim: "Vamos inaugurar uma antena que todo olho verá,e então toda a língua confessará que a programação da nossa rede é a melhor da televisão brasileira". Quase não acreditei. A utilização,como peça de marketing, do teto de Filipenses qual se refere ao mais sublime paradoxo da pessoa de Jesus Cristo, no qual o apóstolo reproduz um hino cristão primitivo que retrata a humilhação e a exaltação do Filho de Deus, foi um acinte ao Evangelho como poucos que tive o desprazer de ver.

Também ouvi um apóstolo fazendo apelo para contribuições, afirmando algo como "este programa - de televisão - é mantido por pessoas que acreditam que o investimento no Reino de Deus dá retorno (...) Então ligue pra cá, que eu vou orar sobre o bolso, e tenho certeza de que Deus vai abençoar você cada vez que for ao banco fazer sua oferta". Não bastasse, acrescentou: "Você, que tem um trabalho natural e não pode evangelizar, evangelize através do nosso programa, fazendo sua contribuição e investindo com retorno garantido".

          Quantas besteiras em poucas frases:
-A comparação do compromisso missionário com "investimento com retorno";

-A sugestão de uma barganha financeira em que Deus está comprometido pela palavra do apóstolo;

-O reforço do dualismo entre clero e laicato;

-A propagação da crença de que o cristão não pode ser um agente do Reino em sua atividade profissional,e que seu emprego é um empecilho para sua obrigação e privilégio de ser testemunha do Evangelho de Jesus Cristo;

-A distorção do conceito de vocação ao falar de trabalho natural em contraposição ao trabalho espiritual ou sobrenatural.

          Também fiquei chocado com o teleevangelista que afirmou que as vítimas da tsunami que abalou a Ásia, especialmente a Indonésia e o Sri Lanka, morreram porque estavam na praia, em vez de estar no templo, cultuando a Deus. Isto é medieval. Assemelha-se à malignidade da Igreja que se valeu do medo do pavor para vender suas indulgências e manter escravos fiéis.

          Não me conformo com a instituição que evoca os simbolismos do sincretismo religioso popular e convoca pessoas para "marchar sobre o vale do sal", participar de "sessões de descarrego" e receber "tratamento espiritual de ex-bruxas" para que se vejam livres de demônios e maldições. Certo dia, um dos pseudo-pastores recomendou que uma senhora aflita escrevesse seu nome sete vezes em sete papeizinhos que deveriam ser depositados no tal vale do sal, sendo este o melhor tratamento para o problema que ela estava enfrentando.

          Até quando vamos chamar de "cristãos" essa gente? Eles inventaram outra religião.Abandonaram o cristianismo.Não falam da cruz de Cristo e do poder do Espírito Santo como solução para toda e qualquer escravidão espiritual, mas inventam a cada dia nova amarração simbólica que perpetua a escravidão,que se faz dupla: aos demônios e aos religiosos. Não falam do discipulado de Jesus Cristo como compromisso com o Reino de Deus,o que exige arrependimento (expansão da consciência) e submissão absoluta o Rei Eterno, o que implica em mudança e vida e serviço abnegado. Não apresentam o Evangelho sem engano e sem dolo, mas uma distorção das Escrituras já denunciada pelo padre Antonio Vieira, quando afirmou que " a Palavra de Deus apresentada com sentido inverso ao pretendido por Deus ao proferi-la não é de Deus, é do Diabo".
Tenha Deus misericórdia de nós!"

          Galera é isso aí! Cuidado com os pregadores de vitória. Evangelho vai além. Evangelho é cruz, é morte, é renúncia, é amor a Deus e ao próximo!

Deus abençoe a todos! - 
 - extraído do livro: Outra Espiritualidade Pág. 63
Andy Veríssimo Blogueiro

Cristão, publicitário de profissão, teólogo e poeta nas horas vagas. Músico e ministro de louvor, amante de sorrisos, do amor, dos livros e de bacon, é claro. Desde pequeno, sempre escrevi poesias, sempre apaixonado pela escrita decidi colocar alguns desses retalhos num blog.

6 comentários:

  1. Estava comentando com um amigo sobre a degradação que o evangelho sofre por causa desses pastores politicos que só fazem idiotisses no plenario... E querendo ou não... é o que vai pra mídia e a primeira coisa que falam é: "ta vendo! ser crente que nem esse ai..."

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Caro Andy...

    Realmente é impossível não ficar chocado, indignado, revoltado com tamanho absurdo, tamanha “palhaçada” que estão fazendo do evangelho.
    Ao ler seu post, lembrei de uma música que gosto muito, do Palavrantiga... “Deus, onde estás? Eu passei por aquele palco, vi um grande homem fardado, que gritava ao povo:”Dinheiro!” sem piedade... Ah! O homem passou e se esqueceu da dor que sangra dentro do peito...”
    O que vemos hoje, e apesar da revolta, com muita tristeza também, é que o materialismo está impregnado por toda parte; a essência do evangelho ficou pra trás, na busca incessante de riqueza e prosperidade material. No lugar de pastores, vemos homens fardados gritando “dinheiro!”, querendo negociar o Reino de Deus.
    Romanos 14:17 diz: “porque o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo.”
    Mas inverteram os valores!
    Claro que é muito mais fácil pegar uma “rosa ungida” ou a “varinha de Moisés” e levar pra casa, achando que a vida vai mudar como num passe de mágica, do que gastar horas se dedicando em conhecer a verdadeira Palavra de Deus, a verdade que liberta.
    "Erramos por falta de conhecimento (Mateus 22:29)"
    Que possamos usar toda nossa “revolta” em prol da proclamação do evangelho genuíno de Jesus Cristo, e que tenhamos sabedoria e discernimento para não aceitar nem cair em qualquer lorota que nos falem.
    Que Deus nos esclareça!

    ResponderExcluir
  4. verdade amigaa! que Deus nos esclareca. Acredito sim, que Deus ja revelou tudo que precisamos. Mas a palavra diz que o deus deste seculo cegou o entendimento das pessoas. Nos como Igreja devemos ser luz e trazer essa clareza as pessoas enganadas pelo sistema religioso alheio de Deus e carregado de hipocrisia e egoismo. Vamos orar, e por onde passarmos, sermos canais de transmissao dessa verdade!

    ResponderExcluir
  5. “O mundo esta descrente, porem muito religioso, mas sem convicção da salvação, os evangélicos viraram doutores da lei, eu em muitos aspectos me sinto um deles, mas sem o discernimento do Espírito Santo, o sistema produz interpretes de um “evangelho legalista” que conduzem MILHARES de pessoas a perdição, ate os fieis correm o risco de serem enganados, por este estilo de vida massificado pelo sistema, regidos por métodos, pensamentos humanistas, céticos, hedonistas e presos pela transferência de uns para outros do que dizem ser o que Deus “ Faz ”, mas a verdade é que Deus é presença, e presença e dada a cada um INDIVIDUALMENTE pelo Espírito Santo e, é o Espírito Santo que habita em cada um, presença é intransferível, pois Deus não esta nas coisas, mas sim nas relações de amor, na doação sem querer nada em troca.” Mat. 25 isto esta bem claro aqui, pois ficou quem não tinha o óleo o “Espírito Santo”. Não foi quem fez ou deixou de fazer a questão era o que “TINHA”. O que temos dentro de nós?

    ResponderExcluir
  6. “O mundo esta descrente, porem muito religioso, mas sem convicção da salvação, os evangélicos viraram doutores da lei, eu em muitos aspectos me sinto um deles, mas sem o discernimento do Espírito Santo, o sistema produz interpretes de um “evangelho legalista” que conduzem MILHARES de pessoas a perdição, ate os fieis correm o risco de serem enganados, por este estilo de vida massificado pelo sistema, regidos por métodos, pensamentos humanistas, céticos, hedonistas e presos pela transferência de uns para outros do que dizem ser o que Deus “ Faz ”, mas a verdade é que Deus é presença, e presença e dada a cada um INDIVIDUALMENTE pelo Espírito Santo e, é o Espírito Santo que habita em cada um, presença é intransferível, pois Deus não esta nas coisas, mas sim nas relações de amor, na doação sem querer nada em troca.” Mat. 25 isto esta bem claro aqui, pois ficou quem não tinha o óleo o “Espírito Santo”. Não foi quem fez ou deixou de fazer a questão era o que “TINHA”. O que temos dentro de nós?

    ResponderExcluir