Falando de Religião


Queridos amigos,
Boa tarde!

Refletindo sobre religião, encontro um episódio em especial nas Sagradas Escrituras que me chama atenção. Está em Lucas 22: 54, "E Pedro seguia-o de Longe."

E o texto diz:
Lucas 22:54 Então, prendendo-o, o levaram e o introduziram na casa do sumo sacerdote; e Pedro seguia-o de longe.
Lucas 22:55 E tendo eles acendido fogo no meio do pátio e havendo-se sentado à roda, sentou-se Pedro entre eles.
Lucas 22:56 Uma criada, vendo-o sentado ao lume, fixou os olhos nele e disse: Esse também estava com ele.
Lucas 22:57 Mas Pedro o negou, dizendo: Mulher, não o conheço.
Lucas 22:58 Daí a pouco, outro o viu, e disse: Tu também és um deles. Mas Pedro disse: Homem, não sou.
Lucas 22:59 E, tendo passado quase uma hora, outro afirmava, dizendo: Certamente este também estava com ele, pois é galileu.
Lucas 22:60 Mas Pedro respondeu: Homem, não sei o que dizes. E imediatamente estando ele ainda a falar, cantou o galo.
Lucas 22:61 Virando-se o Senhor, olhou para Pedro; e Pedro lembrou-se da palavra do Senhor, como lhe havia dito: Hoje, antes que o galo cante, três vezes me negarás.
Lucas 22:62 E, havendo saído, chorou amargamente.


     O que vemos não é muito diferente dos dias atuais. Esperteza de Pedro? Talvez. Ele não chegou mais perto para não ser preso. Quem sabe ele pensou: "Vamos ver no que vai dar...". Pedro fica tão perto ao ponto de vê-lo, mas, não tão perto ao ponto de ser percebido. Pedro é um exemplo das pessoas que não se envolvem demais por medo de se machucar. Ele exemplifica o tipo de pessoa que não é muito leal para que não fique visado. Afinal de contas, "Mostre interesse e será crucificado também."

A religião é alimentada de homens como Pedro, 
homens que mantenham a religião em seu lugar de descanso, medíocres.

    Afirmo sarcasticamente que esse tipo de homem é o homem que Deus precisa. "Os que sabem ficar de longe." Pessoas que vão por desencargo de consciência, entregam os dízimos e até cantam uma vez por semana para Deus. O coração mesmo, este, está vazio. Há tantas dúvidas dentro do peito, mas, se esquecem, que somente aqueles que perdem a vida a encontrarão. É assim no reino cuja a base não é baseada na comida e na bebida, ou indo mais direto ao ponto, na prosperidade vendida nos púlpitos dos dias de hoje, mas na transformação do coração. O reino cuja a base é a experiência de conhecer e ser conhecido por Ele. João 17:03.

Pedro aprendeu uma dura lição naquele dia.
Siga-me de longe e você me negará.
Siga-me de perto, fique a minha sombra, e você morrerá alegremente com Ele.

Somente aqueles que mergulham, saberão quem ele realmente é.

As pessoas vão a Igreja por diversas razões. Eis algumas delas: 

- Buscar alívio de consciência. Perdão.
- Buscar bençãos, sejam elas quais forem.
- As pessoas gostam de estar na Igreja. "Club Social".
- Fazer amigos.
- Muitos vão para se relacionar emocionalmente, vão nessa intenção.
- Há uma boa música.
- Ajuda social.

    Aqueles que experimentam a luz de Cristo são alcançados por muitas bençãos. Mas o que é interessante, é que ninguém aceitaria ir se o discurso fosse: "Venha morrer comigo". Ou o se a mensagem fosse igual a do profeta João Batista "Arrependam-se!", afinal, nos auditórios manipuláveis de hoje, o que vale é " Use a fé para crescer na vida!" " Você é cabeça e não cauda!" e acabam se esquecendo que tudo passa pela Cruz. Cristo foi elevado aos céus, vencedor, mas teve de morrer primeiro. Interessante notar que o principal convite de Jesus dentro dos 33 anos em que viveu na terra foi justamente a chamada a renúncia, a morte do "EU", o verdeiro "Carregar da sua cruz". Precisamos de mais pessoas assim.

Pessoas que carreguem a cruz,
e morram se preciso for. Esses são os fieis. Aqueles que se tiverem de sofrer, sofrerão, Mas nunca o negariam.

Peço a Deus que eu seja encontrado apto. 
Que meu coração seja desses que morrem pela sua causa. 
Que eu seja desses que não apenas o seguem.

Mas daqueles que caminham lado a lado com o Mestre.

" A causa é maior e as dificuldades sempre serão menores". 
                                                                                         Pr. João Osmar.










Andy Veríssimo Blogueiro

Cristão, publicitário de profissão, teólogo e poeta nas horas vagas. Músico e ministro de louvor, amante de sorrisos, do amor, dos livros e de bacon, é claro. Desde pequeno, sempre escrevi poesias, sempre apaixonado pela escrita decidi colocar alguns desses retalhos num blog.

Nenhum comentário:

Postar um comentário