Crianças



Mas Jesus chamou a si as crianças e disse: "Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam; pois o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas.
Digo-lhes a verdade: Quem não receber o Reino de Deus como uma criança, nunca entrará nele".

Lucas 18:16-17


E Jesus nos ensina que devemos ser como crianças…
Mas qual o real sentido de sermos crianças?

Os pequeninos são puros, inocentes, espontâneos e sinceros. Contudo, podemos ir ainda mais além nessa resposta.

Crianças acreditam no pai. Confiam nele. Se atiram nos braços dele. Conhecemos histórias e mais histórias dos pequeninos que idealizavam seus pais como super heróis. Em contrapartida, nós - os “crescidinhos”- somos hipócritas ao ponto de dizer que confiamos em Deus, quando na verdade agimos por nossa própria conta.

Dizemos que confiamos em Deus, mas fazemos nossos próprios planos. Afirmamos que preferimos a vontade de Deus, mas oramos para que Deus abençoe nossas escolhas e se molde ao nosso padrão. Nos orgulhamos ao proclamar que esperamos em Cristo, porém, corremos para os sótãos do mundo em busca de tesouros. Buscamos o Reino de Deus como diz a Bíblia, entretanto, nossos olhos só visam as riquezas desse reino. Cantamos que “se a graça é um oceano, estamos afundando”, só que não temos nem mesmo coragem de deixar a praia para mergulhar nesse mar.

O céu não é lugar para auto-suficientes.

Conforme crescemos, nosso "eu" muda conforme o rio de nossas vidas flui. As escolhas, pessoas, fatos e problemas que enfrentamos influenciam no nosso agir e caminhar. Isso não deveria entrar em pauta, entretanto, achamos que a nossa experiência de vida se torna uma defesa para nos fazer afirmar que "estamos bem e podemos resolver isso ou aquilo sozinhos, que Deus só deve ser invocado nos casos impossíveis". Mas se a vida nos ensina a tirar a espada da bainha, Jesus é aquele que se aproxima pedindo que nos desarmemos.

Cristo ainda é o mesmo, permanece no mesmo lugar. O sacrifício dele é a cédula que já pagou por todos nossos pecados, inclusive os do futuro. Ele já levou sobre si todos os nossos problemas, aflições, doenças e tudo mais que nos tire da condição de filhos de Deus.
Desarme-se de você mesmo. Volte a ser criança. Ele morreu de braços abertos para que você pudesse abraça-lo por toda a eternidade. Ele é seu pai, e chama por você: "filho"!


Por hoje é isso. Fiquem com Deus e até mais.
Yo!
Raniery Seles Blogueiro

O Ranny é um garoto que vive num mundo de aventuras, onde há rios de Toddynho e muitos heróis e magias. Quando está no mundo real, ele é Diretor de Arte, Ilustrador (que desenha uma webcomics, chamada Herostoria), gamer (e sonha em trabalhar com GameDev.) e treinador Pokémon nas horas vagas. Quando ele não está envolvido com nada disso, pode ter certeza de que ele está dormindo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário